Olá leitores,

Venho-vos falar de um assunto que ganha cada vez mais importância: a necessidade da mudança de hábitos com vista à redução da nossa pegada ecológica.

Falando um pouco sobre o meu testemunho, eu costumo dizer que o veganismo mudou completamente a minha forma de olhar para o mundo. Eu decidi tornar-me vegan pelos animais mas rapidamente abracei outras causas como a sustentabilidade ambiental. Isto para vos dizer que se não fosse o veganismo provavelmente nunca teria pensado em modificar os meus hábitos enquanto consumidora e, por isso, tornei-me sem dúvida mais consciente e mais verde.

Em seguida irei demonstrar-vos os motivos pelos quais na minha concepção de veganismo faz sentido tentarmos ao máximo cuidar do nosso planeta e, consequentemente, de todos os animais que nele habitam e algumas das soluções que adoptei no meu quotidiano. Peço-vos que considerem a mudança de alguns dos vossos hábitos porque acredito que juntos podemos fazer a diferença.

Os factos

– De acordo com as Nações Unidas, cerca de um milhão de aves e cem mil mamíferos e peixes são todos os anos vítimas do plástico uma vez que ficam presos, ingerem ou morrem estrangulados ou esfomeados

– Prevê-se que até 2050 haverá mais plástico no mar do que peixes e 99% das aves marinhas terão resíduos no seu sistema digestivo

– Os microplásticos (presentes em vários produtos de cosmética, nomeadamente nas pastas de dentes convencionais) tomaram conta dos solos e dos nossos alimentos (tenham como exemplo a notícia de que foram encontrados microplásticos em três marcas de sal vendidas em Portugal)

– Na última década produziu-se mais plástico do que durante todo o último século

– Em Portugal, cada habitante produz cerca de 440 kg de resíduos por ano sendo que 24% são incinerados e 50% têm os aterros como destino

– Se pensam que basta reciclar para resolver o problema: o plástico é o material mais difícil de reciclar, ao contrário do vidro e do alumínio e é responsável por grande parte das emissões de dióxido de carbono para a atmosfera uma vez que é feito de petróleo, acumula toxinas e demora centenas de anos a decompor-se.

As soluções

1 – Substituam os sacos de plástico

Substituam os sacos de plástico por sacos de pano, quer para transporte quer para armazenamento de produtos. Tenham sempre um na vossa carteira ou carro ou planeiem as vossas compras e levem os que serão necessários. Eu resgatei os sacos de pano das minhas tias e avós mas podem comprar tecido de algodão e mandarem fazer ou fazerem vocês se tiverem jeito para costura. Na loja da Maria Granel têm à venda sacos de pano. O que costumo fazer é comprar fruta, legumes e leguminosas (entre outros) em frutarias ou lojas a granel e em vez de usar os sacos de plástico, peso os produtos e coloco nos meus sacos de pano. Tal como as nossas avós faziam antigamente!

2 – Comprem mais vezes a granel

Existem várias lojas (Maria Granel em Alvalade, Casa a Granel em Campo de Ourique, Toca do Granel no Porto, etc) que vendem apenas produtos a granel ou então mercearias de bairro que têm alguns produtos como leguminosas e frutos secos à venda a granel. O que costumo fazer é reutilizar frascos de vidro (de compotas, leguminosas e café solúvel) e colocar os produtos que compro a granel lá dentro e utilizo-os também como tupperwares dentro e fora de casa. As dispensas ficam muito mais bonitas e organizadas, os alimentos são mais visíveis, é uma forma de armazenamento mais saudável e ajuda a combater o desperdício alimentar porque só compram a quantidade que necessitam.

3 – Evitem os artigos embalados em plástico, principalmente os de uso único

Sempre que precisarem de comprar algum artigo que não possam ou não conseguirem comprar a granel, prefiram a versão desse produto em vidro ou alumínio, mais facilmente reciclável ou reutilizável. Tentem que o plástico seja a vossa última opção. Prefiram comprar alimentos que venham directamente da terra como vegetais, frutas, leguminosas e frutos secos que podem ser facilmente adquiridos sem plástico em vez de produtos processados como sumos, refeições congeladas, bolachas, leites vegetais e cereais de pequeno-almoço que vêm sempre embalados em plástico. Juntem-se ao movimento do “faz tu mesmo” e façam os vossos próprios produtos de forma mais natural e saudável: o vosso sumo, chá gelado ou água aromatizada, as vossas bolachas caseiras, a vossa granola ou muesli, os vossos leites vegetais e as vossas manteigas de frutos secos. É bom para a vossa saúde e para o ambiente!

– Podem fazer o mesmo com os produtos de higiene e de limpeza para reduzirem os artigos de plástico que compram. Substituam o gel de duche por um sabonete natural, o champô embalado por um champô sólido e o esfoliante por um esfoliante feito por vocês apenas com óleo de côco e açúcar. Basta uma pesquisa rápida para encontrarem receitas de produtos de limpeza para a casa naturais à base de vinagre e bicarbonato de sódio ou de sabão e nozes de saponária ou de pastas de dentes à base de óleo de côco e bicarbonato de sódio.

  • Substituam as esponjas de plástico de lavar loiça pelas escovas que eram usadas antigamente de madeira ou de bambu. Comprei esta na loja da Maria Granel.

  • Recusem palhinhas, talheres de plástico e copos de plástico para o café. Levem os vossos reutilizáveis! (sugestões em seguida)

4 – Recusem as palhinhas

Só nos Estados Unidos são usadas 500 milhões de palhinhas diariamente. São usadas por breves momentos e uma única vez. Devido ao seu tamanho vão parar ao oceano e ficam presas nos animais marinhos ou são por eles ingeridas. Para além disto, não são recicláveis. A solução passa por beber directamente no copo ou, se fizerem muita questão, levarem a vossa própria palhinha reutilizável. Antes de fazerem o vosso pedido façam esse alerta. As minhas são de aço inoxidável e comprei-as no Ebay (vêm com um escovilhão para as limpar por dentro). A loja da Maria Granel também tem à venda estas palhinhas mas por um preço mais elevado.

5 – Substituam as garrafas de plástico e filtrem a vossa água

Deixem de usar garrafas de plástico e recorram a garrafas feitas de materiais sustentáveis e que sejam reutilizáveis como o vidro, o bambu e o inox. Se são daquelas pessoas que como eu não apreciam o sabor da torneira considerem comprar um filtro de carvão que dura seis meses e que pode ter outras finalidades no seu fim de vida útil (comprei online na loja Sapato Verde). O filtro de carvão é utilizado pelos japoneses há muitos anos e equilibra o ph da água, remineraliza a mesma e retira o sabor a cloro da água da torneira. Uma vez que a água demora cerca de 8 horas a filtrar, optei por comprar uma garrafa de vidro de dois litros no Espaço Casa e deixo a filtrar durante a noite. Fora de casa, utilizo uma garrafa de vidro que anda sempre comigo.

6 – Façam o vosso kit de marmita sem desperdício

Quando realizarem refeições fora de casa, optem por levar o vosso próprio kit. Deste modo, conseguem comer de forma saudável e sem desperdício de plástico. Para além do mencionado o plástico presente nos tupperwares, principalmente quando é aquecido, liberta toxinas para os alimentos não sendo por isso uma boa opção para a vossa saúde. O meu kit consiste em talheres de metal ou de bambu (comprei-os na loja da Maria Granel), num guardanapo de pano, num tupperware de vidro ou em frascos de vidro reutilizáveis e na minha garrafa de vidro.

7 – Substituam as escovas de dentes de plástico por escovas de bambu

Estima-se que todos os anos sejam atiradas para o lixo cerca de 23 mil toneladas de escovas de dentes de plástico. À semelhança das palhinhas, não são recicláveis. As escovas de bambu são uma alternativa mais sustentável uma vez que são biodegradáveis. Notem que o bambu utilizado na produção destas escovas é panda friendly uma vez que a espécie de bambu em questão não faz parte da alimentação destes animais. Para além disso, o bambu é uma das plantas que crescem mais rápido no mundo. Podem comprar estas escovas de dentes em várias lojas. Eu comprei a minha na loja da Maria Granel mas já comprei também numa loja Terra Pura, no site da Miristica Biocosmética Vegana e existem à venda nos supermercados Go Natural e na loja Sapato Verde na Baixa de Lisboa.

8 – Substituam os cotonetes de plástico por cotonetes de bambu ou de algodão

Os cotonetes de plástico são dos elementos mais encontrados nas praias e no mar devido ao facto de que muitas pessoas os depositam na sanita. Os cotonetes de bambu ou de algodão por serem biodegradáveis são a melhor solução para este problema, uma vez que os que têm a haste de plástico não são recicláveis. Podem comprar os cotonetes de bambu na loja da Maria Granel ou os de algodão no supermercado do El Corte Ingles ou numa loja Celeiro.

9 – Para nós, mulheres: utilizem um copo menstrual ou outras soluções mais sustentáveis

Cada mulher usa cerca de 30 absorventes por mês, 360 por ano e 3600 em dez anos durante o período menstrual. Se multiplicarmos pelo número de mulheres no mundo são 400 milhões de absorventes depositados nas lixeiras e que muitas vezes chegam ao mar. O copo menstrual através de um sistema de vácuo elimina cheiros, evita a oxidação e a proliferação de bactérias e fungos e é hipoalergénico uma vez que é feito de silicone cirúrgico, livre de BPA. Pode ser utilizado cerca de 12 horas dependendo do fluxo e pode ter um período de vida útil de 10 anos. Eu comprei o meu numa loja Celeiro (a marca é a Easy Cup) mas também podem adquiri-lo em alguns supermercados, farmácias e lojas ecológicas. Existem várias marcas no mercado. Posso-vos dizer que no início foi uma adaptação (à semelhança do que me aconteceu com os tampões) mas hoje em dia foi das melhores coisas que comprei porque poupo imenso dinheiro em pensos ou tampões e esqueço-me que o tenho posto e que tenho período de tão confortável que é quando bem colocado! Para as mulheres que não o conseguirem usar, experimentem comprar pensos reutilizáveis ou tampões e pensos de 100% de algodão biológico que podem comprar no Celeiro.

10 – Prefiram comprar roupa de algodão em vez de derivados de petróleo

Tentem comprar com consciência e isso engloba produtos alimentares mas também artigos de moda, entre outros. Questionem se necessitam realmente de comprar aquela peça de roupa e tentem que as vossas peças tenham vários anos de uso. Quando tiverem que comprar optem por roupa de materiais mais sustentáveis como o algodão em vez de derivados de petróleo como o poliéster ou comprem em segunda mão. Quando lavamos as nossas roupas na máquina de lavar, as fibras de plástico podem parar nos oceanos e os animais poderão consumi-las. Além disso, causam menos alergias e são mais respiráveis reduzindo o odor da nossa transpiração.

11 – Troquem os guardanapos de papel por guardanapos de pano

Apesar de não ter plástico na sua composição não deixa de ser lixo produzido por nós. A cada refeição usamos pelo menos um guardanapo de papel e imaginem a quantidade de papel gasto em guardanapos que produzimos ao longo da vida. Os guardanapos de algodão são bem mais económicos, mais bonitos e mais sustentáveis. Podem fazer o mesmo com lenços de pano em vez de papel e resgatarem mais uma vez os que foram usados pelos vossos pais e avós.

12 – Bebam “slow coffee

As capsulas de café são mais um tipo de produto com uma vida útil instantânea e rápida, não fosse ela fruto do mundo plástico e de consumo rápido em que vivemos. O café, sendo tão querido entre os portugueses, é consumido em grande escala e por vezes, quando consumido em casa, através de máquinas de café que utilizam cápsulas de alumínio e plástico. Assim sendo, tornem-se adeptos do slow coffee, isto é, o café que podem fazer em casa de forma mais calma e saborosa. Comprem café moído e deem uma nova vida às cafeteiras antigas. O café solúvel também é uma alternativa rápida e pode ser comprado em frascos de vidro.

Juntem-se a mim nesta mudança de mentalidades e hábitos porque todas as vossas ações/escolhas contam e têm um impacto na vida de milhares de animais e nos ecossistemas em que eles se inserem. Sejam mais conscientes e verdes enquanto consumidores que pretendem deixar às futuras gerações um mundo mais sustentável e menos plástico/descartável.

Nota: Retirei a maior parte das informações e soluções fornecidas neste artigo do Facebook da Maria Granel (desafio Plastic-free July) cuja equipa faz um trabalho incrível na mudança de mentalidades e que com toda a certeza foi uma inspiração para mim e para muitas pessoas. Os blogs Ana, Go Slowly, Trash is for Tossers e Zero Waste Home e o grupo de Facebook Lixo Zero Portugal são igualmente sites a visitar para quem tem interesse em seguir um estilo de vida com zero desperdício ou para quem quer apenas reduzir o seu lixo.

Não hesitem em contactar-me caso tenham alguma questão a colocar através do meu Facebook.