Talvez tenha mudado recentemente para uma dieta vegetariana estrita ou talvez esteja interessado(a) em fazer a transição num futuro próximo, em qualquer dos casos é importante ter em atenção os erros comuns que são cometido por recém-vegetarianos. Só se identificarmos quais os erros cometidos é que os podemos corrigir.

Quando à conversa com um amigo que não é muito apologista do vegetarianismo, muitos de nós ouvimos aquela frase (muitas vezes mentira): “Eu tenho um amigo de um amigo meu que se tornou vegetariano e sentiu-se muito mal, teve que parar de imediato.”.

Fazendo uma análise aos dados científicos existentes, é fácil ver que uma dieta vegetariana tem a capacidade de ser muito mais saudável do que uma dieta baseada em proteína animal. No entanto, se a transição for efetuada sem planeamento ou demasiado abruptamente o nosso organismo pode ressentir-se.

Não faça parte dos vegetarianos que desiste, ficam aqui alguns dos erros mais comumente cometidos por recém vegetarianos.

#1 – Baixo Consumo de Calorias

Ao contrário da maioria dos alimentos de origem animal, alguns dos alimentos de origem vegetal são de menor densidade calórica, o que pode ser um benefício.

No entanto, se não forem consumidas diariamente as calorias necessárias ao funcionamento do nosso organismo, é comum sentir fadiga, confusão mental, fraqueza muscular , etc..

Solução: Para fazer uma transição saudável, é necessário ter uma especial atenção às calorias consumidas diariamente e não ter medo de comer mais se necessário.
Se mesmo assim sentir que não está a consumir as devidas calorias tente consumir mais gorduras saudáveis (ex: abacate, nozes, amendoins, manteiga de amendoim, amêndoas, etc.), cereais como a aveia e fazer batidos (visto facilitar o consumo de alimentos por não estarem no estado sólido).

Calcule as calorias que necessita de consumir aqui

#2 – Consumo Demasiado Baixo de Gorduras

As gorduras são essenciais para um correcto funcionamento do sistema hormonal, pele, sistema nervoso e do organismo no geral. Por isso, uma dieta demasiado deficiente em gordura pode ter consequências negativas no organismo.

Um dos muitos benefícios de uma dieta vegetariana equilibrada é o seu baixo teor em gorduras saturadas, o que contribuí para uma menor incidência de doenças cardiovasculares e diabetes[1]https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2654180/.

Apesar deste baixo consumo de gorduras saturadas ser uma vantagem, não nos podemos esquecer de incorporar gorduras não saturadas na dieta, o que por vezes é algo que recém-vegetarianos se esquecem de fazer.

Solução: Incorporar gorduras saudáveis (não saturadas) na dieta, tais como o abacate, sementes (chia, linhaça, cânhamo, girassol) e oleaginosas (castanhas, nozes, amendoins, amêndoas, avelãs, etc.).

#3 – Excesso de Alimentos Processados

Uma dieta vegetariana é saudável e fácil de executar. Produtos naturais e integrais tais como os vegetais, leguminosas, frutas, cereais e oleaginosas devem ser sempre a base desta dieta.

No entanto, dependendo do gosto pessoal, quando se está a fazer a transição para uma dieta vegetariana para muitas pessoas é importante consumir refeições que se assemelhem às nossas típicas refeições Portuguesas. E isso não tem mal nenhum, é uma forma de nos adaptarmos gradualmente a uma nova dieta.

No entanto, muitas das vezes isto implica um consumo exagerado de comidas processadas, tais como os enchidos vegetais, salsichas vegetais, bolachas, hambúrgueres, etc.. Estes produtos mesmo sendo vegetarianos, não são a opção mais saudável para consumir no dia a dia, contendo muitas das vezes um alto teor de sódio, intensificadores de sabor e conservantes.

Solução: Usar alguns substitutos/alternativas processados durante a transição e começar a substitui-los gradualmente por alimentos integrais tais como vegetais frescos, leguminosas (ex: feijão, grão, lentilhas, ervilhas, etc. ), cereais (ex: aveia, centeio, cevada, etc. ) e oleaginosas. O objetivo é consumir estes substitutos vegetais ocasionalmente e não como base da dieta.

#4 – Mudança Demasiado Brusca

Quer queiramos quer não, somos animais de hábito. Grande parte de nós crescemos a comer alimentos de origem animal, comidas tradicionais Portuguesas e muitas das vezes temos uma ligação emocional com a comida.
Fazer uma transição do dia para a noite pode ser realizável para alguns, no entanto, a longo prazo é mais aconselhável e sustentável realizar uma mudança mais vagarosa e planeada.

Solução: Durante a primeira semana tornar apenas o almoço num almoço vegetariano, na segunda semana tornar o jantar num jantar vegetariano, e assim sucessivamente até eliminar por completo os alimentos de origem animal.
Tenha calma e faça as coisas a seu tempo, tendo em mente um plano de refeições saudáveis e tentar obter sempre mais informação sobre o vegetarianismo.

#5 – Isolamento

Fazer uma transição para uma dieta vegetariana é algo simples de realizar, no entanto, é importante conhecer  pessoas que tenham um estilo de vida semelhante e partilhar experiências e o que sentimos.
A adoção de um estilo de vida vegano implica uma mudança na maneira como olhamos para o mundo, animais e ambiente onde vivemos.

Esta mudança na mentalidade pode causar um maior sentimento de solidão quando os que nos rodeiam não nos apoiam nessa mudança.

Solução: Tente frequentar encontros de veganos e vegetarianos para partilhar experiências e dificuldades e adira a grupos do facebook para estar em constante aprendizagem. Se não existirem encontros no local onde vive, organize-os você mesmo (piqueniques, jantares, debates, etc.) e veja quem aparece!

Referências   [ + ]