Está a pensar em fazer a transição para veganismo? É importante estar preparado para as perguntas que aí vêm! Abaixo são abordadas algumas das questões mais comuns. Por isso, leia e tenha as respostas na ponta da língua!

Onde vais buscar as proteínas?

Qualquer vegetariano sabe que esta questão é a mais popular de todas.

Para um vegetariano estrito obter proteína não é um problema!

Vários estudos que comparam várias dietas (ovo-lacto-vegetariana, semi-vegetariana, vegetariana estrita e omnívora), revelam que a dieta vegetariana estrita, em relação ao perfil nutricional (inclusive proteínas), é a mais saudável [1]Comparação da Qualidade nutricional de várias dietas. Ver estudo[2]Saúde da flora intestinal. Ver estudo.

Fontes de proteína para um vegano: feijão, lentilhas, ervilhas, grão, sementes, frutos secos, tofu, seitan, soja, cereais, entre muitas outras .

Ao contrário do que é senso comum, a proteína não é de todo um problema. Um vegetariano estrito consome tanta proteína como um omnívoro. Tanto a população vegetariana estrita como a omnívora excedem, a maior parte das vezes, o valor recomendado diário de proteína.

Num estudo que compara populações vegetarianas com omnívoras, pesquisadores verificaram que ambas tinham um consumo elevado de proteína (superior ao recomendado).

Tanto para atletas como para pessoas com um estilo de vida normal, uma dieta vegetariana estrita fornece uma quantidade elevada de proteína.

“Os homens das cavernas comiam carne!”

É verdade, no paleolítico os seres humanos começaram a comer outros animais como forma de sobrevivência.

Nós somos omnívoros, pelo facto de termos a capacidade de digerir alimentos de várias classes (origem animal e vegetal). 

No entanto, isto não quer dizer que o corpo humano consiga ser saudável em qualquer tipo de dieta. Nós, como todos os animais, temos uma dieta ideal para o nosso organismo.

As nossas particularidades físicas enquanto espécie (dentes rasos, tubo intestinal longo, enzimas digestivas na saliva, etc.), são um claro indicativo que evoluímos para comer alimentos de origem vegetal e não de origem animal.

A evolução do ser humano indica que, sim, obtivemos calorias provenientes de origem animal e foram essenciais à evolução do cérebro humano[3]http://time.com/4252373/meat-eating-veganism-evolution/, no entanto, não o fazíamos por escolha mas sim porque havia escassez de alimento.

A dieta humana ideal seria uma dieta herbívora. [4]Evolução, Primatas e nutrição: http://davidmillions.com/evolucao-primatas-e-nutricao/

Isto porque humanos são essencialmente primatas, partilhando 98.8% do ADN com os chimpanzés e bonobos, e como sabemos a dieta destes animais é essencialmente herbívora.

Para além disso, temos a possibilidade de escolher as nossas fontes de energia. Nós nos países desenvolvidos, não vivemos num ambiente em que o alimento é escasso, temos escolha, de origem vegetal ou animal.

Para uma análise mais detalhada neste assunto, leia Evolução, Primatas e Nutrição .

“Os leões comem carne, devemos matá-los a todos é?”

Você acha-se semelhante a um leão? Adquire os seus valores morais de um leão?

Seja honesto, você parece-se com este animal?

Sejamos honestos, apenas usamos o leão como desculpa porque mudar é contra a nossa natureza. Nós somos humanos, usamos telemóveis, fomos à lua e temos supermercados com todo o tipo de comida à nossa disposição.

Os leões têm de caçar para sobreviver, não há volta a dar. São carnívoros e não conseguem sobreviver noutro tipo de dieta.

Os humanos têm todos os dias a escolha, comer ou não animais. O veganismo não é contra o facto do leão e outros carnívoros caçarem animais. É no entanto, contra o ser-humano matar e explorar animais, por capricho e não por necessidade.

Se sobrevivemos e somos até mais saudáveis seguindo uma dieta vegetariana, porque não dar esse passo?

Não somos carnívoros

Vejamos algumas das diferenças entre carnívoros (caso do leão) e humanos:

  • O tubo digestivo de um carnívoro, como o leão, é curto (cerca de 3 vezes o comprimento do corpo) para fazer a rápida digestão da carne que entra rapidamente em putrefação. O nosso tubo digestivo é longo, 10-12 vezes o comprimento do nosso corpo, assim como o de um herbívoro, como o cavalo ou a vaca, o que não é ideal para digestão de carne.
  • Não temos dentição, rapidez ou unhas/garras que nos possibilitem a caça de outros animais, ao contrário de um leão.
  • Não salivamos quando vemos um porco, como faria um leão.
  • Não nos arrefecemos pela respiração como os leões e gatos, mas sim pela transpiração como os herbívoros e alguns omnívoros.
  • O maxilar de um carnívoro apenas se move para cima e para baixo, no entanto, nós, humanos, assim como os herbívoros, conseguimos mexer o maxilar na vertical e horizontal. Para facilitar a mastigação de alimentos vegetais.
  • Carnívoros não mastigam, eles apenas engolem a carne, a digestão trata do resto.

Carne é uma escolha inferior no espectro de alimento disponível ao ser humano, para além disso, porquê matar animais se você tem outras escolhas?

“Então e as plantas? Também são seres vivos!”

É verdade, as plantas são seres vivos!

No entanto, o veganismo não tem como objetivo parar de comer seres vivos, tem como objetivo parar a exploração e abate desnecessário de todos os seres vivos que têm a capacidade de sentir dor e têm interesse em viver uma vida livre de sofrimento.

As plantas, reagem a estímulos externos como qualquer outro ser vivo, no entanto, não têm a capacidade de sofrer ou sentir dor.

  • Plantas não têm sistema nervoso central ou cérebro para interpretar a dor
  • Não têm nociceptores, receptores sensoriais que causa a percepção de dor
  • Em termos evolucionários, não faria sentido uma planta sentir dor, pois dor é apenas útil em seres que conseguem evitá-la ou fugir do agente que a causa. Uma planta não consegue fugir ou evitar a dor, tornando a percepção de dor inútil. A evolução não dá espaço para inutilidade.

No entanto, se está preocupado com o “sofrimento” das plantas, fique a saber que os animais (vacas, bois, porcos, etc.) comem quantidades muito superiores de alimento do reino vegetal do que os humanos. Na Europa e América do Norte, uma vaca necessita de 75kg a 300kg de alimento (erva ou cereais) para produzir 1kg de proteína [5]Impacto ambiental de produção de carne: http://science.time.com/2013/12/16/the-triple-whopper-environmental-impact-of-global-meat-production/.

Logo, se está preocupado com o “sofrimento” do reino vegetal, fique a saber que terá que deixar de comer carne, isto porque os animais criados para o nosso consumo comem muito mais plantas e vegetais que a população humana inteira.

Então e os meus caninos?

Parecidos? Não creio.

Esta é uma pergunta que qualquer vegano já ouviu. Os caninos fazem parte da dentição humana, assim como fazem parte da dentição de um gorila ou de um hipopótamo (ambos animais herbívoros).

Veja o seguinte exemplo :

O hipopótamo é um animal herbívoro, no entanto, detém caninos de alto calibre para digerir a vegetação da qual se alimenta.

Os caninos não são um indicativo de que o humano está apto para caçar. Muitos herbívoros detêm caninos, e bem maiores que os nossos.

Não há dúvida que o ser humano não tem capacidade para caçar, sem ser com a ajuda de armas e ferramentas de caça. Os nossos dentes são rasos, sem capacidade de perfurar e matar um animal de grande ou mesmo pequeno porte.

Tudo isto é indicativo de que o humano evoluiu para ter uma dieta mais herbívora do que omnívora.

No entanto, a proteína animal teve o seu contributo para a evolução do cérebro humano, em tempos em que os alimentos eram escassos e não havia capacidade de escolha.

Agora que temos capacidade de escolha, podemos escolher alimentos saudáveis e que não causam tanto sofrimento ou alimentos que são prejudiciais à saúde, ambiente e aos animais. Qual irá escolher?

Escolha vegetariano, pela saúde, ética e ambiente .

Referências   [ + ]

1. Comparação da Qualidade nutricional de várias dietas. Ver estudo
2. Saúde da flora intestinal. Ver estudo
3. http://time.com/4252373/meat-eating-veganism-evolution/
4. Evolução, Primatas e nutrição: http://davidmillions.com/evolucao-primatas-e-nutricao/
5. Impacto ambiental de produção de carne: http://science.time.com/2013/12/16/the-triple-whopper-environmental-impact-of-global-meat-production/